Depoimento

Priscila é nossa atual colaboradora e nos presenteia com sua linda história sobre ser mãe.

Priscila, 45, e seu marido Jorge, 51, enfrentaram dificuldades para que ela conseguisse engravidar. Então optaram pela adoção. Participaram do Grupo de apoio à adoção Laços de Ternura, da FEASA* (Federação das Entidades Sociais de Santo André), o qual, de acordo com Priscila, auxiliou a fortalecer e amadurecer a decisão da adoção, com suporte psicológico e jurídico. “Participando do Grupo, encontramos espaço para dividir angústias, expectativas, escutamos depoimentos de casais que haviam adotado e, posteriormente, demos o nosso próprio depoimento sobre a adoção de Henrique e sobre a adoção tardia da Ana”.

Priscila conta que, quando souberam da gestação de Henrique (que ainda não sabiam se seria menino ou menino, e nem mesmo suas possíveis características biológicas), já sentiram como se eles estivessem “grávidos”, acompanharam a gestação à distância e foram buscar Henrique na saída da maternidade. Logo que o viram já sentiram um grande amor. Quando Henrique completou 3 anos, pedia um irmão, para lhe fazer companhia. Priscila e Jorge então, amadureceram a ideia da adoção tardia e adotaram Ana Karoline, que conheceram em um abrigo. Ana foi morar com a família e após dois anos a adoção foi regularizada pelo Fórum.  

Priscila relata: “No meu cadastro para adoção eu havia especificado uma criança de até 2 anos. Quando me deparei com a Ana, pensei que seria difícil, mas bloqueei todas as coisas que pudessem me afastar da decisão de adotá-la”. Ana Karoline se adaptou facilmente à nova família : “Minha vida mudou muito e para melhor. Acredito que era mesmo para eu ser filha da Priscila. Deus só errou a barriga da mãe”. 

Para surpresa da família, após a adoção de Henrique (hoje com 15 anos)  e Ana (hoje com 25 anos), Priscila acabou engravidando, e Bruno (9 anos)  chegou para completar a “ família colorida”, como se denominam em função das diferenças de tons de pele entre eles.

“Para mim, o processo de gestação teve o mesmo significado do de adoção. Descobri a plenitude da maternidade mesmo antes de engravidar. Eu rezo e agradeço as mães biológicas dos filhos, pois, se não fosse por elas, eu não os teria.”, conta Priscila.

Há 6 anos, a família ganhou mais um membro, Mateus, filho de Ana Karoline.

* Informações: (11) 4436 7477 Feasa

Priscila Ferreira Mendonça Guilherme

Psicopedagoga

0
0
0
s2sdefault

Artigos Anteriores