Para Refletir

O Amor é o maior ato revolucionário. Quem o carrega dentro de si, se posiciona prontamente contra tudo que é desamor, se posiciona contra o machismo, contra a homofobia, contra o moralismo que doutrina os corpos para uma vida infeliz e amarga, contra a barbárie, contra a "justiça" pelas próprias mãos, contra todo e qualquer tipo de violência.

O Amor não tem meta, foco, resultados e utilitarismo. Ele simplesmente É.

O Amor nos faz esvaziar-se de nós mesmos em prol daqueles que vivem em desamor.

O Amor é revolucionário em si, porque deseja elevar a humanidade a outro patamar de relação com todo e qualquer ser vivo, com o ambiente e com a natureza.

Ah, Amor, por onde tens andado nesta sociedade competitiva e violenta? Onde você está presente não há barbárie. Chegue logo, estamos com saudades.

Quando você chegar estaremos juntos para lutar pela paz, para lutar por todos que estão tendo suas vidas ceifadas na sociedade da barbárie.

Nossa primeira tarefa será lutar pela paz, porque só se tem paz onde há justiça e para se fazer justiça há que se colocar em movimento. E quem nos movimenta é você, Amor.

Muitos se envergonham de citá-lo, tem medo do ridículo. Deixaram-se contaminar pela competitividade acadêmica, militante, burocrática, capitalista, religiosa, doutrinária e humana.

Temem parecer ridículos, mas no fundo você é o mais procurado. Muitos negarão, mas sim, você é o que abre o sorriso, que mostra o que realmente vale na vida, que nos dá esperança e nos faz sorrir.

O Amor é o meu Deus e vive dentro de mim. Cantarolo e recito suas ações na alegria e no sofrimento, porque o Amor é o Caminho, é a Verdade e a Vida.

Escrito por Daniel M. Lima

Diretor do IMA e Membro no CNLB

Daniel M. Lima
0
0
0
s2sdefault

Artigos Anteriores