Depoimento

Atualmente conto com o apoio de uma equipe de 10 colaboradores e 5 estagiários de Psicologia e Serviço Social, desta forma o meu trabalho se divide em planejar a demanda da casa ,definir as rotinas, relatórios, planejamento de atividades, passeios e festas, contatos com familiares, contatos com as redes e parceiros, atendimentos individuais, documentações e benefícios de moradores, visitas, organizar as compras da Casa e solicitações de produtos aos programas, elaborar e acompanhar a programação do mês, participar de reuniões da rede, realizar reuniões de equipe, entre outros.

Enfrentei algumas dificuldades no início devido ao quadro reduzido de colaboradores, tendo que realizar múltiplas tarefas para acompanhar a rotina da Casa e dos moradores. Agora, com uma equipe maior, conseguimos superar todas essas dificuldades que existiam a alguns anos atrás.

Os momentos mais marcantes do meu trabalho são os atendimentos de pessoas que são encontradas abandonadas no município e encaminhadas até à Casa, e com o apoio da equipe e da rede conseguimos encontrar os familiares, proporcionando o retorno ao lar. Em um dos casos uma senhora de 74 anos que era de Minas Gerais foi trazida pelo filho com a promessa de que iria morar com ele, mas foi abandonada com sua malinha na porta da Casa Amarela e encaminhada para a Casa Mais Vida. Algum tempo depois encontramos este filho que a levou para morar com ele. Ficou por aproximadamente um ano e meio e novamente foi abandonada. Como ela já conhecia a Casa Amarela se dirigiu até lá pedindo ajuda para voltar para a casa em Minas Gerais, a Casa Amarela novamente encaminhou para a Casa Mais Vida para os procedimentos necessários.

Ao chegar na Casa informou que queria voltar para Minas Gerais, pois sofria maus tratos com o filho, aqui em Sto. André e nunca mais teve contato com a família em Minas.

Após uns três dias consegui com ela um cartão que estava guardando junto aos seus documentos e, através dele, consegui contato com uma advogada que há aproximadamente 10 anos tinha realizado o inventário dela. Entrei em contato a advogada que lembrou-se dela e autorizou uma funcionária para ir procurar a família dessa senhora. Em 24 horas seu filho e seu neto estavam na instituição para levar ela embora, alegando que estavam a sua procura dela desde que veio para Sto. André, e já não tinha mais esperança de encontrava com vida.

Entre muitos momentos esse foi um dos mais marcantes. Assim que ela retornou às suas origens fez vários contatos agradecendo pelo que fizemos.

E a satisfação de estar fazendo algo para o próximo, não tem dinheiro que pague. Eu faço com muito amor, faço o que gosto e graças a Deus todos os dias vou para casa satisfeita com o meu trabalho por proporcionar momentos de prazer a todos moradores da casa.

Meu trabalho contribui muito para o desenvolvimento e enriquecimento pessoal e profissional. Percebi a necessidade de mais qualificações, realizei alguns cursos, faço alguns trabalhos voluntários em Associações de bairro, estou terminando a segunda pós em Políticas Públicas e Gestão em Serviço Social. Trabalhei como tutora na Anhanguera por 4 anos e meio, compartilhando minhas experiências com alunos que estavam iniciando o curso. Eu só tenho a agradecer a Deus por esta oportunidade em trabalhar com esse público e proporcionar uma melhora na qualidade de vida dos nossos moradores.

É o prazer de chegar em casa e dizer missão cumprida, e de encontrar um morador na rua e eles me abraçarem e dizer muito obrigado pelo que vocês fizeram por mim ou ligarem ou visitarem a Casa para compartilhar as mudanças que estão acontecendo na vida deles, às vezes um trabalho novo o retorno à família, um curso que eles estão realizando, tudo isso faz com que eu sinta meu dever cumprido.

Rozinéia Aparecida Nunes da Silva

Assistente Social e Coorde-nadora da Casa Mais Vida

0
0
0
s2sdefault

Artigos Anteriores